Cosméticos naturais, veganos e orgânicos: entenda como são feitos e os benefícios

Imagem de Bruno Glätsch por Pixabay

Não importa se é homem ou mulher. Criança ou adulto. A certeza é uma só: é praticamente impossível, atualmente, não ter a saúde impactada por tudo que comemos, bebemos e usamos em nosso corpo. Seja para o bem ou para o mal.

No campo da alimentação, muito se tem a comemorar. A quantidade de pessoas com uma consciência alimentar mais saudável cresce a passos largos e, felizmente, a luta da atual geração de adultos vê um futuro promissor com pais e mães se esforçando para deixar esse legado para as crianças – e, assim, ter gerações mais saudáveis daqui para frente. Isso inclui, claro, as bebidas. E os esforços não são em vão. Cada vez mais empresas gigantes do campo alimentício percebem essa mudança de comportamento e correm atrás do que o consumidor quer.

Com um ritmo, alguns diriam, menos acelerado (mas já igualmente visível) os setores de cosméticos e higiene pessoal também querem mostrar que existem opções mais naturais para ingredientes tradicionais. Tudo que passamos em nossa pele é absorvido pelo organismo, que não consegue eliminar por completo as substâncias prejudiciais. No caso de cosméticos e produtos de higiene pessoal, se você identificar conservantes como parabenos e formaldeído, ftalatos, tensoativos (substâncias que fazem espuma) e alumínio, fique em alerta. O potencial de alergia e algumas doenças é maior.

Mas é possível deixar a sua rotina de higiene e beleza bem mais segura. A resposta é a natureza. Com uma eficácia tão boa quanto os produtos tradicionais, vale a pena entender o que é um produto considerado natural, orgânico e vegano. Entenda os principais pontos abaixo:

Natural

No Brasil ainda não há uma definição legal para o que pode ser considerado um cosmético natural. De modo geral, órgãos especializados, como o IBD e a Ecocert, atestam que um produto só pode ser considerado natural se a fórmula contiver 95% de ingredientes naturais, entre muitos outros requisitos. (Leia aqui as diretrizes do IBD)

É importante ressaltar que existem produtos com fórmulas mais naturais do que as tradicionais, mas, por não alcançarem a porcentagem mínima dos órgãos especializados, não conseguem a certificação. Cabe ao consumidor fazer essa análise e entender o que deseja adquirir. Além disso, nem todo produto natural é orgânico ou vegano. As definições são diferentes e não se garantem automaticamente.

Orgânico

Uma diferença: cosméticos orgânicos não são iguais aos produtos feitos com matéria-prima orgânica. Segundo o IBD e a Ecocert, o cosmético orgânico deve ter, no mínimo, 95% de matéria-prima certificada como orgânica. Os outros 5% são itens como água e matérias-primas naturais.

Já para os cosméticos feitos com matéria-prima orgânica essa exigência cai para 70%, no mínimo. Então, na hora de comprar seu cosmético entenda o que diz a embalagem: ele tanto pode ser um produto orgânico quanto um produto feito com matéria-prima orgânica.

Vegano

Dentro da classificação de vegano não entram os conceitos de naturais ou orgânicos. O que importa é que o produto não tenha nenhum um componente de origem animal ou que não tenha sido testado em animais.

Textos consultados:

https://www.ecycle.com.br/component/content/article/67-dia-a-dia/2099-cosmeticos-organicos-naturais-convencionais-deferencas-tipos-materia-prima-composicao-definicao-consumidor-como-fazer-receitas.html

https://boaforma.abril.com.br/beleza/beleza-saudavel-entenda-os-beneficios-dos-cosmeticos-naturais/

https://universa.uol.com.br/noticias/redacao/2018/10/15/mitos-e-verdades-dos-cosmeticos-naturais.htm

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *